O EFEITO SHAKA ZULU

O EFEITO SHAKA ZULU Defendo que, por regra, acções para melhoria da produtividade numa organização devem ser feitas no respeito pela sua cultura e pelas […]

FAQ’s Refa vs Lean

Partilho as respostas que escrevi para as FAQ do site da UNAVE na preparação da divulgação de um curso REFA a leccionar em colaboração entre […]

(im)produtividade Nacional

É um facto, enquanto país, Portugal tem uma baixa produtividade relativamente aos seus parceiros. Na cultura portuguesa encontramos características que ajudam a explicar este facto. […]

Erros de casting

Conhecem a história daquele individuo que ostentava no curriculum 26 anos de experiência numa dada função e por isso é contratado para um importante cargo […]

Curva de pânico

Porque é que muitos projectos de melhoria são abandonados? A CURVA DE PÂNICO É natural que depois da fase inicial de um projecto de melhorias […]

Gerir pelo retrovisor

No final do turno o trabalhador anota manualmente a sua produção na folha de registo, que é depois levada para o gabinete de planeamento. No […]

Inventar problemas…

Tive há algum tempo como cliente um pequeno e charmoso hotel onde a estética é uma preocupação central nas opções de decoração e gestão do […]

A armadilha dos tempos médios

É frequente as empresas recorrerem ao histórico dos tempos médios das operações como método de definição dos respectivos tempos de referência. Mesmo naquelas situações em […]

O EFEITO SHAKA ZULU

O EFEITO SHAKA ZULU

Defendo que, por regra, acções para melhoria da produtividade numa organização devem ser feitas no respeito pela sua cultura e pelas pessoas que a integram, construindo a nova realidade de forma incremental sobre a situação existente.

A experiência mostra-me, no entanto, que algumas escolas de pensamento e consultores que defendem abordagens radicais apresentam por vezes melhores resultados. A explicação que encontro é que ao destruírem a estrutura da empresa para reconstruir de acordo com o seu modelo, destruem também os factores internos de resistência, que numa abordagem de melhoria incremental se mantém e que muitas vezes são suficientes para porem em causa o sucesso dos projectos.

Concluo que o sucesso destas abordagens radicais não está no facto do modelo proposto ser melhor, mas sim no efeito colateral de destruição da estrutura organizativa ter criado as condições para a implementação com menores resistências.

Partilhar Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+