O EFEITO SHAKA ZULU

O EFEITO SHAKA ZULU Defendo que, por regra, acções para melhoria da produtividade numa organização devem ser feitas no respeito pela sua cultura e pelas […]

FAQ’s Refa vs Lean

Partilho as respostas que escrevi para as FAQ do site da UNAVE na preparação da divulgação de um curso REFA a leccionar em colaboração entre […]

(im)produtividade Nacional

É um facto, enquanto país, Portugal tem uma baixa produtividade relativamente aos seus parceiros. Na cultura portuguesa encontramos características que ajudam a explicar este facto. […]

Erros de casting

Conhecem a história daquele individuo que ostentava no curriculum 26 anos de experiência numa dada função e por isso é contratado para um importante cargo […]

Curva de pânico

Porque é que muitos projectos de melhoria são abandonados? A CURVA DE PÂNICO É natural que depois da fase inicial de um projecto de melhorias […]

Gerir pelo retrovisor

No final do turno o trabalhador anota manualmente a sua produção na folha de registo, que é depois levada para o gabinete de planeamento. No […]

Inventar problemas…

Tive há algum tempo como cliente um pequeno e charmoso hotel onde a estética é uma preocupação central nas opções de decoração e gestão do […]

A armadilha dos tempos médios

É frequente as empresas recorrerem ao histórico dos tempos médios das operações como método de definição dos respectivos tempos de referência. Mesmo naquelas situações em […]

indústria 4.0 Biztalk: Estratégias para uma (r)evolução na indústria

Sinopse da participação de João Diniz, na biztalk de 9 de Junho 17

Velocidade, se se quiser encontrar um conceito que possa caracterizar a nossa época, velocidade deve ser o escolhido.

Desde que o comboio (i1.0) começou a encurtar de forma significativa as distâncias e com isso a alterar a noção de tempo, que a nossa sociedade se caracteriza pela procura incessante da velocidade. Tudo acontece cada vez mais depressa. As empresas procuram sempre dar respostas mais céleres em ambientes tecnologicamente mutáveis, servindo clientes com exigências cada vez mais específicas.

A rapidez dos processos implica rapidez na tomada de decisão e quanto menos tempo há para ponderar decisões e testar alternativas maior a exigência quanto ao rigor dos dados em que essa decisão é baseada.

A tecnologia actual torna fácil a aquisição de dados, mas cresce a necessidade de garantir a sua correcção e significância – a qualidade da informação é crucial para o processo de tomada rápida de decisão.

A REFA ao oferecer uma metodologia consistente e largamente testada de recolha, tratamento e validação de dados, posiciona-se claramente como um forte parceiro junto das empresas e organizações que, na senda do novo paradigma da industria 4.0, necessitam de garantir a solidez dos seus processos de decisão.