O EFEITO SHAKA ZULU

O EFEITO SHAKA ZULU Defendo que, por regra, acções para melhoria da produtividade numa organização devem ser feitas no respeito pela sua cultura e pelas […]

FAQ’s Refa vs Lean

Partilho as respostas que escrevi para as FAQ do site da UNAVE na preparação da divulgação de um curso REFA a leccionar em colaboração entre […]

(im)produtividade Nacional

É um facto, enquanto país, Portugal tem uma baixa produtividade relativamente aos seus parceiros. Na cultura portuguesa encontramos características que ajudam a explicar este facto. […]

Erros de casting

Conhecem a história daquele individuo que ostentava no curriculum 26 anos de experiência numa dada função e por isso é contratado para um importante cargo […]

Curva de pânico

Porque é que muitos projectos de melhoria são abandonados? A CURVA DE PÂNICO É natural que depois da fase inicial de um projecto de melhorias […]

Gerir pelo retrovisor

No final do turno o trabalhador anota manualmente a sua produção na folha de registo, que é depois levada para o gabinete de planeamento. No […]

Inventar problemas…

Tive há algum tempo como cliente um pequeno e charmoso hotel onde a estética é uma preocupação central nas opções de decoração e gestão do […]

A armadilha dos tempos médios

É frequente as empresas recorrerem ao histórico dos tempos médios das operações como método de definição dos respectivos tempos de referência. Mesmo naquelas situações em […]

Miopia de Habituação

Embora por razões óbvias não o tenha nunca experimentado, aceito como verdadeira a história que já ouvi algumas vezes repetida de que se colocarmos uma rã numa panela de água fria e a formos aquecendo lentamente o pobre bicho vai-se adaptando ao aumento da temperatura e acaba cozido sem nunca tentar sair da panela.

A habituação, de que a história acima é um exemplo extremo, é uma componente muitas vezes desvalorizada na capacidade de um gestor avaliar fria e objectivamente o seu negócio. A habituação condiciona um tipo de miopia de gestão que faz com que se acabem por aceitar situações que de outra forma seriam recusadas.

Quando confrontado com um cenário que ultrapassa os limites auto-impostos ninguém tem dúvidas em recusá-lo, mas, se esse mesmo cenário for “construído”, de acordo com as circunstâncias e aos poucos, muitos gestores e decisores acabam por se deixar envolver a tal ponto que depois – olhando para trás – não conseguem perceber como se deixaram enredar e como, sem que se apercebessem exactamente quando, os limites inicialmente definidos há muito foram ultrapassados. Tal com a rã cozinham em fogo lento sem perceberem o aumento da temperatura.

Técnica e tecnologicamente as empresas são quase sempre capazes e competentes e estarem no negócio é disso a prova. Quando não se trata da introdução de novas competências (como, por exemplo, é o caso do desenvolvimento de novos processos e de acréscimo de competências) coloca-se muitas vezes em causa as reais vantagens que a contratação de um consultor pode trazer à organização – nada de mais errado. A constatação da existência do fenómeno da miopia de habituação vem demonstrar que a distância, a capacidade de “ver de fora”, de desmontar o cenário, de medir a “temperatura da água”, são vantagens imediatas que um elemento exterior, com a necessária experiência e conhecimento, traz à Organização, justificando muitas vezes, por si só a sua contratação.


O presente texto foi inicialmente publicado no “Notícias da Airo”